Rumor: EA prioriza usar a engine Unreal em seus próximos jogos

Tudo indica que a EA deve parar de investir no desenvolvimento da engine Frostbite e priorizar o uso da engine Unreal, da Epic Games, em seus próximos jogos.

O rumor foi apontado pelo simmer James Avery através do site de carreiras da EA em busca de um engenheiro de software sênior especificamente para o desenvolvimento através da Unreal Engine:

Studios Technology Group (STG) possibilita aos principais Estúdios da EA a criação de experiências ainda maiores. Nós ajudamos a definir o futuro em que os jogos são criados e como eles serão jogados e vistos.

Seu foco será em nossa iniciativa para aperfeiçoar o espaço de motores de jogo e ajudar a definir a visão técnica em longo prazo do uso da Unreal Engine na EA. Você será o principal ponto de contato para desafios técnicos, e vai fazer parceirias com times ao redor do mundo para oferecer as melhores experiências para seus jogadores. Você também vai oferecer mentoria para as melhores práticas, mantendo um repositório de conhecimento e gerenciando divergencia de código.

Essa vaga, e outras oportunidades que requerem experiência com a Unreal Engine, se somam às declarações dos executivos da EA sobre a péssima recepção de Battlefield 2042 envolver problemas no desenvolvimento do jogo com a Frostbite, o que levou a uma mudança na liderança da DICE, o estúdio desenvolvedor tanto de Battlefield quanto da engine Frostbite.

Em dezembro de 2021, Oskar Gabrielson, gerente-geral da DICE, foi substituído por Vince Zampella, fundador da Respawn (outro estúdio da EA, responsável por Apex Legends e Titanfall). Zampella e seu time na Respawn são um dos únicos estúdios da EA que nunca abraçou a Frostbite, preferindo desenvolver seus títulos (incluindo o bem recebido Jedi: Fallen Order) usando a Unreal. Ao que tudo indica, agora que ele também lidera os times de Battlefield e o time interno que desenvolve a Frostbite, a diretiva de priorizar o desenvolvimento usando a engine da EA vai mudar.

Criada originalmente para Battlefield: Bad Company, a Frostbite é um motor de jogo (ou engine) que oferece altíssima fidelidade visual para jogos em primeira-pessoa. Sua recepção inicial com BF3 foi tão boa que a EA decidiu expandir seu foco, tornando-a a engine principal da empresa, e todos os maiores jogos a partir de então deveriam ser desenvolvidos usando ela.

Os problemas começaram a aparecer com o desenvolvimento de Dragon Age: Inquisition, da BioWare. Após um desenvolvimento conturbado em que o time se viu obrigado a adicionar vários recursos à Frostbite para adaptá-la para um jogo de RPG em terceira pessoa, os desenvolvedores da BioWare tiveram que fazer o mesmo processo para o desenvolvimento de Mass Effect: Andromeda e Anthem. Embora Dragon Age: Inquisition tenha sido bem recebido por público e crítica, ME:A e Anthem foram fracassos na recepção da mídia especializada e decepcionaram nas expectativas de vendas. O conteúdo extra de Andromeda foi cancelado, e uma reformulação na jogabilidade de Anthem foi cancelada antes do primeiro aniversário do jogo. Em todos os casos, relatos dos desenvolvedores de Anthem e Andromeda apontam incertezas na liderança e falta de suporte técnico por parte da Frostbite como motivos para os resultados ruins desses jogos.

A Frostbite também foi usada nas franquias Plants vs. Zombies: Garden Warfare, Need for Speed (a partir de The Run, em 2011), Star Wars Battlefront e FIFA (a partir da edição de 2017).

Embora nenhum jogo da Maxis tenha usado o Frostbite, o estúdio também lutou contra sua própria engine, Glassbox, no lançamento de SimCity em 2013. Falhas na simulação oferecida pelo Glassbox causava problemas sérios de jogabilidade, impossibilitando o tráfego de unidades e estancando o crescimento de cidades — rumores indicam que a Glassbox é um dos motivos pelos quais os mapas disponíveis no jogo são tão pequenos.

Tanto Spore quanto The Sims 2 e The Sims 3 foram desenvolvidos, em parte, com o motor RenderWare, desenvolvido pela Criterion Games — outro estúdio da EA, responsável por Burnout e Star Wars Squadrons. Embora a RenderWare seja uma engine da geração de PlayStation 2 e Xbox 360, seu desenvolvimento simplificado e versatilidade (a engine também foi usada por outros títulos, como Grand Theft Auto) ajudou os times da Maxis a aperfeiçoarem a jogabilidade de seus jogos sem se preocupar em readaptar ferramentas constantemente. Não é o caso com The Sims 4, desenvolvido a partir de uma engine exclusiva criada internamente.

Rumores indicam que tanto a próxima geração de The Sims quanto Lost Astral estão sendo desenvolvidos com a Unreal Engine há algum tempo. A Frostbite ainda deve ser usada no remake de Dead Space desenvolvido pela Motive e por Dragon Age 4, desenvolvido pela BioWare.

Maxis apresenta nova identidade visual e redesign do site

A Maxis, o estúdio que desenvolve as séries SimCity, The Sims e Spore, apresentou nesses últimos dias sua nova identidade visual, a primeira desde o redesign de 2013.

Nova identidade visual da Maxis, com um coração colorido sobre o nome do estúdio

A nova identidade apresenta as mesmas cores do logo clássico da empresa, mas dessa vez formando uma lâmpada com um coração dentro. O estúdio também apresentou um redesign completo do site oficial, com uma ênfase maior no recrutamento de novos profissionais, além de divulgar os vários estúdios da empresa pelo mundo — até agora, a Maxis só existia “oficialmente” em Redwood Shores, na Califórnia.

Veja também o vídeo apresentado o estúdio:

Novo jogo da Maxis pode se chamar “Lost Astral”

O novo jogo desenvolvido pelo estúdio da Maxis em Austin, no Texas, teve seu título revelado, Lost Astral.

O vazamento se deu através da API da plataforma de streaming de jogos GEFORCE NOW, que sem querer exibiu uma lista de dezenas de títulos que serão integrados à plataforma. Você pode conferir a lista completa do vazamento aqui.

Segundo outro vazamento reportado pelo Sims Community, o que já sabemos sobre esse novo jogo é:

  • É um jogo de simulação em HD para PC e consoles.
  • Desenvolvido e prototipado usando a Unreal Engine 4.
  • Possui um “menu de navegação 3D”.
  • Possui “Super Habilidades”.
  • Possui eventos co-op contra o ambiente do jogo.

Essas informações foram vazadas junto com uma imagem do logo da Maxis sobre um fundo espacial:

Marca da Maxis sob um céu estrelado

Atualmente, os focos da Maxis se dividem em criar novos conteúdos e suporte ao The Sims 4, desenvolvimento da nova geração de The Sims e o desenvolvimento desse novo jogo, Lost Astral. A divisão se mantém assim:

  • Maxis Redwood Shores — The Sims 4 e a nova geração de The Sims.
  • Maxis Austin — Lost Astral e a nova geração de The Sims.
  • Maxis Europa — The Sims 4 e SimCity BuildIt.

Lost Astral está em desenvolvimento desde 2018, no mínimo, e se sabe muito pouco sobre ele. A EA ainda não divulgou nem anunciou nenhuma informação oficial sobre o jogo fora das ofertas de emprego que publica periodigamente.