Entrevista com Lucy Bradshaw sobre Spore Creatures

Wired:

Em uma DICE de uns anos atrás, eu lembro de ter falado com Will e ele disse que passava a maior parte do seu tempo livre jogando no Nintendo DS. Então parece que ele é um grande fã da plataforma – o que guiou o desenvolvimento dessa versão de Spore?

Bem, o Nintendo DS. Will estava jogando bastante com ele, eu jogo muito no meu Nintendo DS, eu tenho filhos e acho ele bastante portátil. Muitos jogos nele são experimentos de jogabilidade - novas técnicas e novas direções. E eu amo que isso é algo que a plataforma permite, principalmente com a Stylus e com a conectividade online. Então parecia uma plataforma natural para o jogo. A decisão foi criar uma abordagem única de Spore, pensada para o DS. Vamos olhar para essa plataforma e pensar em como podemos oferecer a melhor jogabilidade nela. E nós tinhamos que ser honestos — nós tentamos encaixar tudo ou nos focamos em só uma área?

Então nós decidimos nos focar em só uma área — a fase de “Criatura” do jogo. Então nós falamos, vamos ter certeza de que a gente domine os princípios de Spore. Criatividade — eu não sei se você teve a oportunidade de jogar com o criador de Criaturas; Exploração — como você vai explorar esse mundo e encontrar novas partes para evoluir; Evolução — nós vamos ser uma espécie amigável ou agressiva? No Nintendo DS nós criamos uma espécie de “jornada”, que você precisa encontrar recursos necessários para evoluir o suficiente e conseguir salvar o seu planeta.