Play.tm entrevista Thomas Vu, produtor de Spore

Play.tm:

Vocês não estão preocupados que até mesmo os fãs de The Sims podem ficar oprimidos ou até confusos pelas possibilidades aparentemente infinitas de Spore?

Uma boa parte do time de desenvolvimento de Spore trabalhou anteriormente em The Sims e SimCity, então existe um bom entendimento e influência que carregamos dessas franquias. Para os jogadores de The Sims e SimCity, jogar Spore vai ser algo familiar por causa das possibilidades infinitas daqueles jogos. Como um jogo sandbox, The Sims permite que os jogadores adicionem personalidade, relacionamentos, e inspirações em seus mundos criando resultados emergentes e surpreendentes. Em SimCity, a localização das zonas, a distribuição de impostos, e o gerenciamento de unidades contribui para esse amplo espaço de possibilidades. Da mesma forma, Spore possui alguns controles limitados para o jogador, e usa eles para exibir possibilidades e experiências que são únicas para aquele jogador e sua história. Na melhor das hipóteses, os fãs de The Sims serão os menos interessados por um jogo como Spore porque, como um jogo de estratégia e simulação, The Sims é um dos jogos mais complexos do gênero.

O escopo das ideias por trás de Spore é realmente gigante, e tentar destilar ele para se tornar claro para o jogador é algo que o time luta todo o dia. Pegando uma célula microscópica e evoluindo até uma espécie intergaláctica, enquanto interage com dezenas de criações no caminho é um investimento monumental. No fim, Spore será consumido pelos seus próprios fãs, e os fãs e suas comunidades vão estar separados em sua evolução e desenvolvimento, mas povoando e polinizando os universos uns dos outros e os nossos também.

Essa entrevista com o Thomas Vu é muito boa. Faz um tempo já que eu tô gostando mais de ouvir os desenvolvedores do jogo mais do que o Will. O Will é um gênio, mas suas ideias são mais legais de ouvir e tentar entender quando o jogo ainda está na teoria. Quando é preciso trazer ela pro mundo real e ver como elas podem virar um jogo, mesmo, os desenvolvedores da Maxis parecem muito mais capazes de explicar.

Nessa entrevista o Thomas fala de como o aspecto online do jogo funciona através da polinização, as semelhanças entre Spore e SimCity e The Sims, a direção de arte do jogo, o fato que ele possui um final e o que a Maxis vai fazer depois de Spore.