Prévia de Spore pelo Spore Zone

Nosso amigo ChEeTaH do Spore Zone teve a chance de ver Spore de perto na EA do Reino Unido e dá uma bela visão geral de cada fase do jogo, dos Criadores, da Sporepédia e do Spore Creatures e Spore Mobile.

O jogo está ficando muito bom. As mudanças desde 2006, quando eu o vi pela última vez em ação na E3 em Los Angeles e na Games Convention em Leipzig, são imensas. O jogo está bem colorido e a interface de controles é intuitiva. A Sporepédia é um elemento excelente que torna o compartilhamento das suas criações bem fácil. As versões para DS e Mobile são de acordo com o que elas devem ser, mas não são do meu gosto. Elas não vão prender a minha atenção por muito tempo, diferente da versão para PC que tem tudo.

O jogo dá muita liberdade e permite que você seja bem criativo. Você pode gastar todo o seu tempo com os editores e não precisa jogar o jogo em si. Se você não é do tipo criativo, você pode só baixar umas criações e sair jogando com elas. Não importa, já que o que você faz no seu jogo não afeta os jogos de outras pessoas. E, sendo um jogo da Maxis, ele é bem engraçado e vai fazer você rir o tempo inteiro. Mesmo com os atrasos, parece que a Maxis vai entregar o jogo que eles estão prometendo desde 2006.

O jogo será lançado na primeira semana de setembro desse ano. Requisitos de sistema não foram divulgados, mas segundo a EA o jogo escala bem e não vai precisar de computadores muito poderosos para rodar.

Spore Creatures: classificação indicativa, vídeo e prévia

O órgão americano que faz a classificação indicativa de idade para jogos, o ESRB, deu a classificação de E10+ para Spore (equivale à nossa “maiores de 10 anos”). Títulos dessa classificação podem possuir violência leve, cartunizada ou fantasiosa e alguns temas sugestivos.

O GameSpy publicou uma prévia rápida do jogo:

Sua criatura pode ser controlada tanto pelo D-Pad quanto pela tela de toque ao estilo de Phantom Hourglass. Pode ser repetitivo, mas gostamos que podemos escolher como queremos controlar nossas criaturas.

E aqui um vídeo do jogo em ação!

Caryl Shaw detalha como os conteúdos são distribuídos na Sporepédia

O Gamasutra pede para a produtora Caryl Shaw detalhar como funciona a polinização de conteúdos através de vários jogos com a Sporepédia:

Com os objetivos definidos, Shaw executou uma demonstração do jogo para mostrar as formas que o compartilhamento de conteúdo foi simplificado em Spore. No jogo, cada novo conteúdo gerado por usuário cria um “cartão” que deixa você ver quem o criou, e o que mais eles criaram. A partir daí ele é carregado na Sporepédia, o centro de todo o compartilhamento.

Cada cartão é um arquivo PNG de aproximadamente 30kbs. Ele possui a imagem e a informação geral do conteúdo, e pode ser enviado por email. O que é realmente único é que os dados do jogo estão inclusos no arquivo PNG em si, criando uma maneira simples de compartilhar conteúdos tanto pelos servidores do Spore quanto por email ou através de sites. Músicas criadas pelo usuário serão salvas usando o mesmo sistema de PNGs, mas não serão enviadas para o servidor de Spore “por motivos de copyright”.

Não vai dar pra subir o seu cover do Queen na Sporepédia mas vai dar pra postar eles no Fórum do Esporo. :)