MDS Spore ARRASA!!11!!1!

Joystiq:

Na minha demonstração, eu voei do meu planeta natal, saí do sistema estelar, e foi então que meu queixo caiu. Eu vi milhões de estrelas e cliquei em algumas delas. Eu percebi que “nossa… esse jogo é imenso. O mero escopo não importa tanto quanto tudo o que você pode fazer em cada planeta. Eu voei para outro sistema estelar, comecei a terraformar um mundo chamando um meteoro, então eu encontrei uma civilização em outro mundo, e destruí sua cidade capital com uma bomba de antimatéria. Sim, cruel… e sim, eu gostei.

No fim das contas, a data “quando estiver pronto em 2007” não me deixou muito triste. Na apresentação da Wired, [o ator Robert] Williams travu o jogo ao tentar criar uns filhotes, então é óbvio que ainda há o que fazer para deixar o jogo funcionando direito. O pessoal da empresa disse que a EA está com uma abordagem “sem se meter”, e eles estão ok só esperando até que o jogo esteja pronto. Eu não disse a eles que eu queria esperar na fila, pagar $600 dólares e então vender todos os órgãos vitais necessários apenas para jogar o jogo final. Ele realmente tem o potencial de se transformar na obra prima de Will Wright.

Primeira imagem da Sporepédia

O site 4Gamer publicou uma prévia com algumas imagens do jogo (que vamos publicar em breve) e, mais importante, a primeira imagem da Sporepédia — em baixa qualidade, mas acredito que teremos uma melhor nos próximos dias:

Catálogo de criações, exibindo cartões com várias criaturas

GameSpot: Conquistando o Universo

GameSpot:

Aparentemente, quando sua criatura sai do ovo, você começa a vida como uma versão “bebê”. Wright navegou pelo mundo com a pequena monstruosidade, “incomodando os vizinhos” ao se aproximar do território de outros herbívoros super-protetores, depois usou uma outra forma de “chamar” para atrair outras criaturas da mesma espécie, criando um bando. Bandos eventualmente formarão a base das sociedades primitivas da fase tribal do jogo — aparentemente, uma vez que você alcance essa fase, você vai librar o “editor de cabanas” para projetar o visual das cabanas das suas criaturas, e quando você avançar para a fase da cidade, você poderá criar prédios modernos e até mesmo a flora do ambiente.

Também a GameSpot, sobre o Editor de Criaturas:

Tudo isso é possível usando uma interface completamente em 3D. Peças se “grudam” onde você quer formar articulações, e dependendo do tipo de partes que você usa em sua criatura, sua natureza será diferente. Por exemplo, você pode criar uma criatura parecida com uma planta que é dócil com grandes sensores através de suas antenas, ou criar um monstrinho bruto com braços de gorila e garras e espinhos e coisas rasgando o corpo dele. Nós começamos criando um híbrido entre esses dois. Não importa o quão absurdo nós tentávamos criar essas criaturas, os resultados sempre pareceram no mínimo interessantes, senão desconcertantes. É claro que é possível salvar suas criações, e uma das coisas mais impressionantes sobre Spore é como suas criaturas vão povoar as galáxias de outros jogadores através do seu sistema de polinização de conteúdo, que irá transferir automaticamente conteúdos do jogador para outros jogadores.

GameSpy: Prévias de Spore na E3

GameSpy:

Sempre que você examinar criaturas, mundos ou sistemas solares, você coletará um “cartão” virtual que o representa. Esses cartões parecem com algo que você vê em jogos de cartas colecionáveis: eles contém uma imagem da criatura ou planeta, junto com estatísticas e informações. Se você clica no cartão de um planeta, você verá todos os cartões representando as criaturas que vivem naquele planeta — algo como uma rede virtual. Essa forma fácil de navegar por todo o conteúdo que você explorou se chama “Sporepédia”.

Ao entrar na fase do espaço do jogo, o objetivo passa a ser melhorar a sua nave, que é basicamente o avatar do jogador nessa fase. É você que decide como vai fazer isso. Você pode explorar mundos estranhos ou interessantes, encontrar artefatos alienígenas enterrados em planetas, que vão dar à sua nave novas habilidades (como armas ou ferramentas de terraformação). Ou você pode fazer acordos com outras civilizações avançadas para trocar por tecnologia.

[…]

Raças alienígenas podem comunicar com o jogador usando uma interface simples. Eles podem ameaçar você ou oferecer paz, e você pode responder com um conjunto de respostas de múltipla escolha. Os bípedes verdes que estavamos torturando nos disse que eles iam lançar um ataque contra nosso planeta natal, e Wright disse para eles mandarem ver. Eles mandaram, e nosso planeta nos contatou com notícias de que eles estavam sob ataque. Nossa reputação como valentões galácticos implacáveis já estava se espalhando…

A GameSpy também teve a oportunidade de entrevistar Will Wright, e conseguiu mais algumas informações. O jogo deve ser lançado entre abril e maio de 2007, e será lançado em todas as plataformas, incluindo celulares, mas o lançamento inicial será apenas no PC. Wright comentou que essa é a última E3 em que o jogo será exibido, e que a EA não impôs uma data limite porque não quer que eles estraguem o jogo. Atualmente, a equipe de Spore tem cerca de 70 pessoas, o que é pequeno comparado com a maioria dos times de grandes jogos por aí, incluindo The Sims. Wright também comentou sobre mais inspirações e o PlayStation 3, você pode conferir tudo na entrevista.