GameSpot: Conquistando o Universo

GameSpot:

Aparentemente, quando sua criatura sai do ovo, você começa a vida como uma versão “bebê”. Wright navegou pelo mundo com a pequena monstruosidade, “incomodando os vizinhos” ao se aproximar do território de outros herbívoros super-protetores, depois usou uma outra forma de “chamar” para atrair outras criaturas da mesma espécie, criando um bando. Bandos eventualmente formarão a base das sociedades primitivas da fase tribal do jogo — aparentemente, uma vez que você alcance essa fase, você vai librar o “editor de cabanas” para projetar o visual das cabanas das suas criaturas, e quando você avançar para a fase da cidade, você poderá criar prédios modernos e até mesmo a flora do ambiente.

Também a GameSpot, sobre o Editor de Criaturas:

Tudo isso é possível usando uma interface completamente em 3D. Peças se “grudam” onde você quer formar articulações, e dependendo do tipo de partes que você usa em sua criatura, sua natureza será diferente. Por exemplo, você pode criar uma criatura parecida com uma planta que é dócil com grandes sensores através de suas antenas, ou criar um monstrinho bruto com braços de gorila e garras e espinhos e coisas rasgando o corpo dele. Nós começamos criando um híbrido entre esses dois. Não importa o quão absurdo nós tentávamos criar essas criaturas, os resultados sempre pareceram no mínimo interessantes, senão desconcertantes. É claro que é possível salvar suas criações, e uma das coisas mais impressionantes sobre Spore é como suas criaturas vão povoar as galáxias de outros jogadores através do seu sistema de polinização de conteúdo, que irá transferir automaticamente conteúdos do jogador para outros jogadores.