Novas entrevistas com Lucy Bradshaw

Novas entrevistas com a produtora executiva de Spore, Lucy Bradshaw, foram publicadas.

A primeira foi publicada em um site alemão, e o fã-site Space Oddity traduziu alguns pedaços para o inglês, e eu traduzo para o português:

Spieletipps.de:

Para evitar que conteúdo “maduro” apareça em seu jogo, há vários níveis de filtros. A opção mais forte é jogar apenas com o conteúdo incluso no DVD do jogo. Depois dessa, há a possibilidade de jogar apenas com as criações da Maxis, inclusive aquelas criadas e enviadas diretamente para a Sporepédia pelos desenvolvedores. A próxima camada permite apenas conteúdo criado pelos seus amigos. E depois você pode escolher por filtros da Sporepédia. A opção mais livre permite que você encontre qualquer conteúdo durante o seu jogo, mas mesmo nessa situação você tem a opção de banir conteúdos que você acha ofensivos.

A outra é uma entrevista muito longa, de quatro páginas, que é excelente.

Gamers Global:

GamesGlobal: É claro que conteúdo criado por usuários é um grande sucesso, você pode ver isso no The Sims 2 e em vários outros jogos. Há modders criando jogos completamente novos usando jogos existentes. Quanto controle você acha que pode dar e ainda manter os limites que você imaginou?

Lucy Bradshaw: Nós queríamos ter uma evolução do que nós já fizemos em nossos jogos anteriores, desde a época do SCURK, que significa “SimCity Urban Renewal Kit”, que estava disponível para SimCity 2000. Com aquela ferramenta, jogadores podiam criar seus próprios prédios e inserí-los no seu jogo. Nós criamos editores para construir arquiteturas, nós criamos o Face Maker e o Criador de Sims e o Transmodificador para o The Sims. Todas essas ferramentas não eram exatamente fáceis de usar. Haviam alguns grandes modders que criaram algumas construções fantásticas e conseguiram até mesmo mudar o aspecto da simulação. Nós permitimos que as pessoas abram os arquivos RAW do jogo e deixamos que os jogadores decidissem como os jogos interpretavam essas novas construções. Nós permitimos que jogadores poderiam fazer alguns tipos de scripts. Mas esses mods eram sempre feitos por alguns poucos jogadores e usados por muitos. Nós queríamos trazer essa criatividade para todos os jogadores, nós queremos surpreender os jogadores com a própria criatividade. Eu acho que nós conseguimos fazer isso muito bem! Eu não sou artística, mas eu estou bem contente com as criaturas que consegui criar. E, ainda por cima, eu estou mais surpresa pelo que os jogadores podem criar. É um dos motivos que nós deixamos que os jogadores compartilhem suas criações na Sporepédia e mantemos um cartão com suas estatísticas: são abertos. Nós estamos deixando um território aberto para os jogadores, nós queremos ser surpreendidos pelos nossos fãs, e o que essas pessoas podem realizar.

Como funciona o sistema de animações do Spore

Eu encontrei esses dias o site do desenvolvedor Chris Hecker, responsável pelo sistema de animação processual de Spore. Segundo o que o site descreve, seu trabalho “se centraliza em como usar os sistemas processuais para aumentar a criatividade e a percepção do jogador”.

Hecker escreveu um artigo de onze páginas onde ele descreve como o sistema de animações de Spore funciona. De acordo com sua página, essa tecnologia se chama Spasm, e é um algoritmo avançado que avalia os esqueletos das criações dos jogadores para definir como será sua movimentação.

É um artigo bem complexo e difícil de ler, mas pra quem tem interesse em animação gráfica vale muito a pena conferir. Leia ele aqui, ou escute a entrevista de Hecker sobre o Spasm no site Biota.org.

Requisitos do sistema para o Criador de Criaturas do Spore

O blog Space Oddity encontrou os requisitos da edição avulsa do Criador de Criaturas no site oficial do Spore:

  • Sistema operacional: Windows XP/Vista
  • Processador: Processador Pentium 4 2.0 GHz ou equivalente
  • Memória: XP precisa de 512 MB, Vista precisa de 768 MB
  • Disco rígido: ao menos 300 MB de espaço livre para o jogo, e espaço adicional para criações e downloads (a versão para download precisa de 600 MB)
  • Placa de vídeo: ao menos 128 MB de memória dedicada, com suporte a Pixel Shader 2.0

Para computadores usando placas de vídeo embutidas, o jogo requer:

  • Intel Integrated Chipset GMA 950
  • Processador Intel Dual Core de 2.0 GHz ou Core 2 Duo de 1.7 GHz

Placas de vídeo suportadas:

  • ATI Radeon: 9500, 9600, 9800, X300, X600, X700, X800, X850, X1300, X1600, X1800, X1900, X1950, 2400, 2600, 2900, 3650, 3850
  • NVIDIA GeForce: FX 5900, FX 5950, 6200, 6500, 6600, 6800, 7200, 7300, 7600, 7800, 7900, 7950, 8400, 8500, 8600, 8800
  • Intel Extreme Graphics: GMA 950, GMA X3000, GMA X3100

Considerando que o Criador de Criaturas é simplesmente um recurso tirado diretamente do Spore, eu imagino que o jogo vai ter requisitos bem parecidos com esse — talvez precisando só de mais memória (imagino que 1 GB de RAM) e espaço no disco rígido.

EA remove restrição de 10 dias do SecuROM de Spore

Estamos chegando em algum lugar! A EA nos ouviu e removeu a validação a cada dez dias para jogabilidade offline. Nós não conseguimos remover o DRM completamente, mas não precisaremos nos preocupar de não conseguir jogar um jogo que compramos.

A EA atualizou o FAQ de Spore no site oficial:

Pergunta: se o jogo não vai requerer autenticação a cada dez dias, ele vai precisar ser reautenticado?

Resposta: apenas quando o jogador decidir usar algum recurso online para baixar novos conteúdos para o jogo.

A BioWare, o estúdio responsável por Mass Effect, também deu uma declaração sobre o SecuROM presente no seu jogo.